Estudo de arquitetura de backup em fita e backup em nuvem utilizando a solução da Riverbed Steelstore – Pise4


1 backup

AGENDA

1. Introdução

2. Trabalhos Relacionados

3. Motivação

4. Técnicas de otimização

5. Segurança

6. Arquitetura

7. Conclusão

1- INTRODUÇÃO

Nessa apresentação iremos analisar a evolução e pré-requisitos dos Backups corporativos, avaliando as diferenças das arquiteturas disponíveis de Backup com armazenamento na Nuvem, para definir melhores práticas de desempenho e capacidade para a implementação de uma solução para empresas.

1.1 – CONTEXTO

Escopo: Backup de Servidores físicos ou virtuais.

 2

Fora do escopo: Backup de arquivos pessoais (apenas o modelo adotado é referenciado como um motivados para o Backup corporativo)

2 – TRABALHOS RELACIONADOS

Mark Paters et al; “Cloud Storage: The Next Frontier for Tape“, Artigo, The Enterprise Strategy Group(2013):

– O artigo apresenta a fita como alternativa de armazenamento do Backup pelos provedores de nuvem, apresentando significativa redução de custos para eles e consequentemente na cobrança para os seus clientes. A abortagem de eleiminação da fita nas empresas (clientes finais) coincide com os argumentos desse trabalho.

3 – MOTIVAÇÃO

  • A fita é uma tecnologia antiga que tende a se aposentar:

3

 

Eliminação do gerenciamento e manipulação de Fitas, inclusive com transporte para empresas de hosting de fitas (Ex.: Iron Mounting).

4

 

3 – MOTIVAÇÃO

5

  • Aproveitamento do software de Backup existente. jobs, retenção, frequência, etc.
  • Pode ser usado como ambiente de contingência;
  • Redução de Custo em comparação a aquisição de fitas ou discos para backup local.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

3.1 – EVOLUÇÃO DO BACKUP CORPORATIVO

6

3.2 EVOLUÇÃO DO BACKUP PESSOAL

78                                Motiva a evolução do backup corporativo

4 – TÉCNICAS DE OTIMIZAÇÃO

9

Para implentação dessas técnicas, um elemento (hardware ou software) deve ser instalado de cada lado (empresa cliente e datacenter na nuvem)

4.1 – DESDUPLICAÇÃO DE DADOS

10A granularidade dos dados é o fator crucial no resultado da desduplicação: Arquivos x Blocos/Bytes

EXEMPLO COM BLOCOS DE 4 KBYTES

11

4.2 – OTIMIZAÇÃO TCP

Sem otimização: cada pedido e cada resposta, necessariamente atravessa o circuito WAN para pode ser processado.

12

4.2 – OTIMIZAÇÃO TCP

Com otimização: apenas a requisição inicial chega no servidor na nuvem. Todos os controles ineficazes dos protocolos são substituídos por algoritimos mais eficicazes, evitando o alto volume de transações através da WAN.

13

4.2 – OTIMIZAÇÃO TCP

Sem otimização: tamanho da janela TCP (Windows size) em 3750K em um link de 1Gbps e latência de 30ms

14-0

  

4.2 – OTIMIZAÇÃO TCP

Com otimização: Janela TCP dinâmica para transferir mais dados pelo mesmo link. Aceleradores de WAN permitem responder os acknowledgements TCP localmente para os servidores, ao invés de aguardá-los vindos de outra ponta. Assim, os servidores são “enganados” e acabam enviando mais pacotes TCP em menos tempo.

14

5- SEGURANÇA

15

Criptografia no armazenamento ou na transferência. Ex.: AES-256

– Atendimento a requisitos regulatórios ( compliance ), mas sem perda significativa de desempenho;

– Gravação dos arquivos em striping 

6 – ARQUITETURA

16

6.1 ESTUDO DE CASO

– Gravação dos arquivos em striping no ambiente S3 da Amazon

17

6.1 – ESTUDO DE CASO

– Desduplicação utilizando o Riverbed SteelStore.

18

6.1 – ESTUDO DE CASO

– Operação de escrita na Nuvem utilizando o Riverbed SteelStore.

19

6.1 – ESTUDO DE CASO

– Relatório de ocupação de espaço utilizando o Riverbed SteelStore.

20

7 – CONSIDERAÇÕES FINAIS

– Considerar a utilização e custo do link WAN e cobrança do armazenamento para dados alterados na nuvem. Ideal: desduplicação de dados com granulariedade baixa; implementação de otimizadores de WAN;

– Garantir a gravação do Backup com Segurança. Ideal: criptografia e striping

Homologar o procedimento de Restore (como para qualquer solução de Backup).

7.1 – TRABALHOS FUTUROS

  • Realizar testes de restauração de base de dados e máquinas virtuais para calcular RTO (Tempo de Recuperação)
  • Analisar o impacto de sesempenho da criptografia na transferência dos dados durante o Restore.

 

E com este estudo mostramos como a solução da Riverbed SteelStore pode ajudar a sua empresa com o aceleramento de WAN e backup em nuvem.

Converse com um dos consutores da Pise4 para saber como podemos melhorar e diminuir o seu custo de backup.

Até a próxima.

Riverbed SteelStore

Ranto Sicchiroli – Diretor Pise4

Pise4 logo ver1-1 90 limpo

error: Content is protected !!